O pediatra Severino Dantas, chefe do banco de leite da Santa Casa de Vitória, ao lado da funcionária Dioneia Machado Dias, que há 30 anos trabalha no banco de leite

Um mito muito comum entre as mães de recém-nascidos é acreditar que a doação de leite materno vai reduzir a produção do alimento e, consequentemente, prejudicar o fornecimento de nutrientes para o próprio filho. O pediatra Severino Dantas Filho, que coordena o banco de leite do Hospital Santa Casa de Misericórdia de Vitória, esclarece essa e outras dúvidas.

Doar leite interfere na produção?

Sim. Mas, ao contrário do que muitas mães pensam, o ato de doar não reduz a quantidade de leite. Na verdade, ele estimula a produção de ainda mais leite, pois a produção do leite materno é estimulada justamente pela sucção. O corpo entende esse processo como se a criança estivesse mamando. Por isso, se você que é mãe doar, não terá menos leite para dar ao seu filho. É um mito que precisa ser esclarecido.

O leite industrializado é uma alternativa?

O leite industrializado é uma opção e ajuda como um plano B na falta da opção natural. Mas o materno é o ideal, pois é puro e gratuito. O leite comercializado é caro, além de não possuir todos os ingredientes necessários para o bom desenvolvimento da criança. São dois alimentos diferentes. E o principal é que a doação não seja encarada como benéfica só por estimular a produção do leite. É importante deixar isso bem claro. A doadora tem esse benefício, mas a maior contribuição que ela pode dar é permitir que crianças prematuras que estão internadas na UTIN tenham acesso a esse alimento natural e genuíno.

Quem pode e quem não pode doar leite materno?

Mulheres que têm alguma doença infecciosa, como AIDS, tuberculose, ou alguma doença que debilite a saúde não devem doar. Por outro lado, o tipo físico da mulher não é requisito para saber quem pode ou não doar. Se for magra, gorda, alta, baixa, nada disso vai alterar a estrutura física do bebê que aproveitou esse leite doado.

Na hora da doação é preciso ter algum cuidado especial?

Não. Simplesmente estar apta para doar.

A doação pode ser feita de quanto em quanto tempo?

O intervalo de tempo entre as doações varia de acordo com cada mãe. Mas o comum é coletar o excesso depois da amamentação, para não deixar a mama cheia demais. Caso o excesso não seja retirado, pode haver risco de empedrar ou infeccionar o seio.

Onde a mulher pode doar?

Na Santa Casa de Vitória nós temos duas opções. Ou entrando em contato com o banco de leite do hospital, no telefone 3212-7246 (terça a quinta, das 7h às 16h), ou indo diretamente à maternidade Pró-Matre, que têm plantão para coleta de leite materno.